Você está Visitando o site Weizur Brasil. Veja informações sobre todas filiais aqui.

Artigos

PREÇO DO LEITE PAGO AO PRODUTOR RURAL SOBE EM SANTA CATARINA.

PREÇO DO LEITE PAGO AO PRODUTOR RURAL SOBE EM SANTA CATARINA.

Após meses de instabilidade nos valores pagos aos produtores de leite de Santa Catarina, o ano de 2017 inicia com otimismo. Prova disso é a projeção de aumento de 2,1% do Conselho Paritário Produtor/Indústria de Leite do Estado de Santa Catarina (Conseleite) após reunião realizada, recentemente, em Florianópolis. “Esse valor ainda não cobre os custos de produção, principalmente para os produtores que têm tecnologia e mão de obra mais avançadas, mas as expectativas são de que os preços pagos aos criadores de gado leiteiro aumentem gradativamente”, observa o presidente do Conseleite e vice-presidente regional da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC (FAESC), Adelar Maximiliano Zimmer. Destaca também que as boas expectativas da safra 2016/2017 serão um diferencial positivo no Estado. “Com a produção de milho em alta haverá uma queda no preço dos insumos o que diminuirá os custos de produção e, consequentemente, oportunizará uma melhor rentabilidade”. Os valores para o mês de janeiro ficaram assim projetados: Leite acima do padrão R$ 1,2141 o litro, leite padrão R$ 1,0557 e abaixo do padrão R$ 0,9597. Zimmer salienta que a proximidade das estações mais amenas, como outono e inverno, também é boa para a produção leiteira. “O período de inverno aumenta a produtividade. Os produtores se preparam com estoques de silagem e as demais regiões do Brasil não produzem leite nessa época o que é bom para Santa Catarina. Além disso, o consumo é maior nesse período, o que aquece o setor”. O presidente também comenta que o preço necessário para trabalhar com margem de lucro para os produtores é de R$ 1,50 o litro. “As expectativas estão boas, estamos otimistas em uma boa safra. Com bons preços será possível garantir a renda das famílias de produtores e contribuir para o controle do êxodo rural, uma de nossas maiores preocupações”, finaliza.

Voltar